Arquivos do Blog

Representantes da Economia Solidária de toda a Região Norte se reúnem em Porto Velho

Esta turma faz parte do quinto curso regional de formação em Economia Solidária. São três representantes de cada estado da Amazônia Legal. Andréa Mendes é da coordenação estadual do Fórum de economia solidária de Rondônia e explica que um dos principais desafios do setor é a comercialização. A venda é o principal desafio da economia solidária.

Continue lendo: Blog Fundos Solidários da Região Norte do Brasil

Extraordinária Campanha da Fraternidade

A colaboração das Campanhas da Fraternidade para as políticas públicas brasileiras são inegáveis, desde que o olhar esteja despido de preconceitos religiosos ou eclesiais. Temáticas como a violência, paz, água, terra, deficientes, tem ajudado a sociedade brasileira a debruçar-se sobre desafios que em geral ficam apenas na constatação e reclamações. São 49 anos de grande contribuição da Igreja.

Infelizmente certos setores da Igreja acham que a CF atrapalha o clima da Quaresma. Eu penso exatamente o contrário, isto é, a CF enriqueceu a Quaresma, dando-lhe um conteúdo positivo de conversão para o irmão, vencendo aquele clima necrófilo vivido nas Quaresmas em certas regiões brasileiras. Mas, a CF não perdeu sua pertinência.

Esse ano, a temática da saúde pode fazer um bem fantástico a milhões de brasileiros que precisam da saúde pública. Esse é o primeiro mérito do texto base, ele põe a questão da política pública de saúde para ser debatida, sem renunciar às outras dimensões, como do cuidado com os enfermos, da valorização dos profissionais de saúde, da saúde alternativa.

Leia mais na Adital

Em unanimidade, Câmara dos Vereadores aprovaram Economia Solidária em Belém.

Na sessão ordinária da manhã do dia 06, os vereadores aprovaram, de forma unânime, o projeto de lei que institui em Belém o Programa Municipal de Economia Solidária, de autoria do vereador Otávio Pinheiro (PT).

De acordo com o vereador, a criação do projeto teve a contribuição dos movimentos sociais e empreendimentos solidários. O próximo passo, segundo ele, é sensibilizar o prefeito Duciomar Costa para que o mesmo possa sancionar o projeto e assim efetivar a economia solidária enquanto política pública.

Luiz Dantas, coordenador do Fórum Paraense de Economia Solidária (FPES), informa que esta é uma vitória para o movimento de Ecosol em Belém. Com o projeto de lei, os empreendimentos solidários passam a ter um diálogo formal com o município, e assim, adquirem um caráter legal para poderem comercializar os seus produtos.

Para o coordenador, um dos principais desafios para os empreendimentos é o acesso ao crédito e a comercialização dos seus produtos, ele explica que “com o projeto de lei sendo aprovado pelo Prefeito de Belém, poderá se criar mecanismos para instituir a criação de programas de assessoria e formação, e assim melhor atender essa demanda”.

O projeto visa prestar assessoria aos empreendimentos, da criação à formação. E ainda estabelece que a Prefeitura de Belém fique responsável pela compra de 30% dos produtos dos empreendimentos da economia solidária.

CÁRITAS

Estiveram presentes na sessão diversos movimentos da economia solidária, dentre eles a Cáritas Brasileira Regional Norte 2. O organismo ligado ao Regional Norte 2 da CNBB é referência no desenvolvimento da economia solidária nos Estados do Pará e Amapá.

Lindomar Silva, secretário executivo da Cáritas Norte 2, fala que com o projeto de lei sendo aprovado a entidade poderá ampliar o trabalho, pois sendo instituída como política pública torna-se mediadora entre o município e a sociedade, fará parte do planejamento municipal no combate à pobreza e legitima os empreendimento solidários e movimentos que atuam na promoção da economia solidária

A cáritas Norte 2 desenvolve projetos de apoio e fomento em comunidades carentes promovendo por meio da economia solidária a inclusão social. O mais novo projeto social é a promoção de Fundos Rotativos Solidários na Região Norte. Por meio da economia solidária, é possível criar fundos, uma forma de poupança, que é administrada pelas comunidades organizadas em torno dos princípios da Ecosol: auto-gestão, democracia, cooperação e solidariedade.

%d blogueiros gostam disto: