Arquivo diário: 19/01/2012

Microcrédito: Caixa Econômica firma convênio com o Banco Tupinambá

Assinatura do convênio da Caixa Econômica com o Banco Tupinambá

No dia 16 de janeiro de 2009 foi criado o Banco Tupinambá. Nesta segunda-feira, como presente de aniversário o banco firmou convênio com a Caixa Economia Federal para abertura de Microcrédito Produtivo à comunidade da Baia do Sol.

Marcia Duarte, supervisora de Canais da Caixa Econômica, informou que a população local poderá realizar todos os serviços disponíveis pela Caixa Econômica através do Banco Tupinambá e completa, “todos os serviços e produtos que irão servir de fomento, de crescimento para a economia local a Caixa vai disponibilizar”.

De acordo com a supervisora de canais da Caixa Econômica, pelo Banco Tupinambá será realizando também a prestação de serviços sociais do Governo Federal como o pagamento do Bolsa Família, aposentadorias, PIS, por meio do Cartão Cidadão, além de pagamentos de contas, serviço este já realizado pelo Banco Tupinambá. Além desses serviços, Marcia enfatiza que o que irá beneficiar a população local é sem dúvida o serviço de Microcrédito Produtivo.

Ivoneide do Vale, Analista de Crédito do Banco Tupinambá, diz que com o Microcrédito haverá a inclusão da comunidade no sistema financeiro “para que uma pessoa possa ter crédito num banco ela precisa apresentar documentos que muitas vezes não dispõem,” explica Ivoneide.

Com este serviço a comunidade tem a oportunidade de ter acesso ao crédito sem burocracia, pois como o Banco Comunitário conhece a realidade local sabe que pode investir na comunidade. Ivoneide Vale

Estavam presentes no terceiro ano de aniversário do Banco Tupinambá: Airton Lisboa Fernades, diretor da Secretaria Especial de Estado de Desenvolvimento Econômico e Incentivo à Produção do Estado do Pará, Lindomar Silva, Secretário Executivo da Cáritas Brasileira Regional Norte 2; Luiz Dantas, Coordenador do Fórum Paraense de Economia Solidária; Luciano Cidrak, representante do Instituto do Banco Palmas e Dona Paulinha Priscila Souza Côrrea, representante da Comunidade da Baia do Sol em Mosqueiro.

Saiba Mais

Existem no Brasil 67 Bancos Comunitários, dentre eles 4 estão no Estado do Pará: Banco Comunitário Paraíso localizado no munícipio de Jacundá; Banco Comunitário Aldeinha, em Gurupá; Banco Tupinambá, em Mosqueiro e Banco Comunitário Miri, inaugurado no dia 17 de janeiro de 2012 em Igarapé Miri.

 

Bancos Comunitários e Moedas sociais geram trabalho e renda para comunidades carentes.

Euro, Real, Libra Dólar, Moqueio… Isso mesmo, há várias outras moedas não oficias que circulam pelo Brasil. O Moqueio é uma moeda social resultado do projeto desenvolvido pelo Banco Comunitário Tupinambá, localizado na comunidade da Baia do Sol na ilha de Mosqueiro, a 70 km de Belém (PA).

No dia 16, foi comemorado o terceiro ano do Banco Comunitário Tupinambá, considerado o primeiro banco comunitário da região Norte. Mas afinal, o que é um Banco comunitário?

Os Bancos Comunitários são resultados de projetos que apoiam economias populares organizadas em forma de cooperativas ou associações geridas pela própria comunidade, tendo como base a cooperação, a solidariedade e auto-gestão, princípios da Economia Solidária. Isso significa que as comunidades se unem para promover o desenvolvimento local.

Estes projetos atendem comunidades carentes em que os moradores são excluídos dos serviços financeiros bancários. Assim a população pode realizar por meio dos Bancos Comunitários serviços como efetuar o pagamento de contas de luz, água e boletos bancários, além de terem acesso a crédito sem juros para o consumo local por meio da Moeda Social Local Circulante, também chamada de Circulante Local.

A moeda social é complementar ao Real e tem sua origem na economia solidária. Como a moeda social é aceita somente pelos comerciantes locais isso faz com que o dinheiro circule dentro da própria comunidade, aumentando o poder de comercialização local, gerando emprego e renda.

O objetivo da moeda circulante é fazer com que parte dessa riqueza seja investida na comunidade local, é por meio da moeda social que há o desenvolvimento da comunidade, sem ela o consumidor compra produtos fora do município fazendo com que o dinheiro não seja investido na localidade.

Saiba Mais

A moeda Moqueio tem lastro em Real, logo, ambas possuem a mesma equivalência, ou seja, 1 Moqueio representa R$ 1.- As moedas sociais circulantes são produzidas com componentes de segurança (papel moeda, marca d’água, código de barra, números serial) para evitar falsificação.

%d blogueiros gostam disto: