Arquivo mensal: janeiro 2012

De olho aberto para não virar escravo

 

Cáritas Norte 2 promove formação em Fundos Solidários

Os Fundos Solidários caracterizam-se como uma poupança gerida coletivamente

A Cáritas Brasileira Regional Norte 2 estará realizando nos dias 27 e 28 uma oficina sobre Fundos Rotativos Solidários. O objetivo é formar, identificar e desenvolver grupos que trabalham com a economia solidária e assim implementar o Fundo Solidário nas comunidades em que os grupos atuam.

Os Fundos Solidários funcionam como uma poupança realizada dentro da comunidade ou grupos de redes de empreendimentos da Economia Solidária. A própria comunidade local é que administra de forma coletiva o fundo. Essa poupança é realizada por meio do depósito voluntário por cada membro, e destina-se a beneficiar a própria comunidade local.

A oficina faz parte do Projeto “Promoção do Desenvolvimento Local por Meio de Fundos Solidários na Região Norte do Brasil”. O mesmo visa o incremento local e territorial e solidário em comunidades urbanas e rurais da Região Norte, na busca da geração de renda e inclusão social. A finalidade é atingir organizações de redes de cooperação entre a comunidade local e os Fundos Solidários. O projeto tem convênio com o Ministério de Trabalho e Emprego (MTE) por meio da Secretaria Nacional de Economia Solidária (SENAES).

A formação terá a participação de dois Assessores da Cáritas Nacional: Jaime Conrado e João de Jesus.

Programação: programação_oficina fundos

Data: 27 e 28 de Janeiro

Local:  Regional Norte 2 da CNBB – TV Barão do Triunfo, 3151, sala Curumim

Mas como funciona um Fundo Rotativo Solidário?

Uma família ou grupo ao adquirir um benefício do Fundo Solidário se responsabiliza em devolver o valor do bem recebido, para que outra família possa se beneficiar do Fundo Solidário.

E por que Fundo Rotativo Solidário?

Fundos são recursos, e podem ser entendidos como sendo recursos financeiros, mão-de-obra que podem ser disponibilizadas, sementes etc. Como o fundo é destinado para a comunidade local, os recursos circulam dentro da comunidade, logo são Rotativos. E Solidário porque visa partilhar os benefícios com todos da comunidade.

Fórum de Economia Solidária no Pará comemora as futuras ações de 2012

Este slideshow necessita de JavaScript.

Na última sexta-feira, dia 20, o Fórum Paraense de Economia Solidária e Popular se reuniram para confraternizar o ano novo e as ações que serão realizadas para 2012.

Para animar a confraternização foram realizados bingos e leilões, o que gerou a arrecadação para o Fundo Solidário do Fórum Estadual.

A confraternização para os membros da Ecosol significou o fortalecimento de laços e o comprometimento com a Economia Solidária no Estado do Pará, firmados na reunião que ocorreu no dia 5 de janeiro, na qual foi elaborado calendário de 2012 do Fórum Estadual.

Um dos objetivos das ações do Fórum Estadual da Ecosol para 2012 é Implementar ações por meio de uma agenda de mobibilização rumo à V Plenária Nacional de Economia Solidária, cujo tema será “Economia Solidária: o bem viver, a cooperação e a autogestão para um desenvolvimento justo e sustentável”.

A agenda de mobilização iniciará com uma Caravana Estadual, que será nos dias 14 e 15 abril. E irá percorrer aproximadamente em 30 municípios com a finalidade de mobilizar e simultaneamente incentivar a criação de Fóruns e conselhos municipais.

Convite ao II Semiário Alusivo ao Trabalho Escravo

Belém 24 de janeiro de 2012

A Cáritas Norte 2, CPT e Regional Norte 2 da CNBB  convidam todos e todas para participar do II Seminário Alusivo ao Dia Nacional  ao Trabalho Escravo.

O evento será realizado dia 27, sexta-feira, no auditório do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região.

O Pará não poderia ficar de fora dessa discussão e  a Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região – AMATRA 8, reuniu as  entidades públicas e organizações civis para debater sobre o assunto. A Cáritas Norte 2, CPT e Regional Norte 2 da CNBB são parceiros do evento.

A programação trás grandes nomes do combate ao Trabalho Escravo no estado, como o Procurador da República, Ubiratan Cazetta, o Desembargador Federal do Trabalho Gabriel Velloso e o membro da Comissão Nacional de Combate ao Trabalho Escravo (CONATRAE), Sólon Pereira.

Data: 27/01/2012 – sexta-feira
Local: Auditório do TRT-8 , TV. Dom Pedro I, 750, Bairro: Umarizal

Cáritas Brasileira Regional Norte 2- Somos Cáritas Somos Solidariedade

Pará realiza o Seminário de Combate ao Trabalho Escravo 2012

Evento no auditório do TRT 8 marca as comemorações do Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo instituído no Brasil

Pelo terceiro ano consecutivo, entidades públicas e organizações civis realizam na última semana de janeiro atos e debates para marcar o Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo (28 de janeiro). Assim como em 2010 e 2011, atividades estão programadas em vários estados do país para chamar atenção sobre o problema e mobilizar por avanços na erradicação do trabalho escravo contemporâneo.

O Pará não ficou de fora e realiza na próxima sexta-feira (27 de janeiro), no auditório do Tribunal Regional do Trabalho da 8ª Região, o II Seminário de Combate ao Trabalho Escravo. O primeiro, realizado em 2011 reuniu várias entidades ligadas ao combate a esta prática no estado. Para 2012, espera-se um público estimado em mais de 200 pessoas da sociedade civil organizada, professores, pesquisadores, estudantes, juízes, procuradores, auditores e membros dos poderes executivo, legislativo e judiciário.

Este ano, as atividades contam com amplo debate no Fórum Social, em Porto Alegre (RS), e em, pelo menos, mais seis estados brasileiros como Maranhão, Tocantins, Minas Gerais, Piauí e Ceará.

No Pará, o evento é realizado pela Associação dos Magistrados da Justiça do Trabalho da 8ª Região – AMATRA 8 e a programação trás grandes nomes do combate ao Trabalho Escravo no estado, como o Procurador da República, Ubiratan Cazetta, o Desembargador Federal do Trabalho Gabriel Velloso e o membro da Comissão Nacional de Combate ao Trabalho Escravo (CONATRAE), Solon Pereira.

O dia 28 de janeiro foi oficializado como Dia Nacional de Combate ao Trabalho Escravo como uma forma de homenagear os auditores fiscais do trabalho Erastóstenes de Almeida Gonçalves, João Batista Soares Lage e Nelson José da Silva, e o motorista Ailton Pereira de Oliveira, assassinados nesta data em 2004, durante fiscalização na zona rural de Unaí (MG). Entre as atividades previstas para este ano também estão manifestações exigindo o julgamento dos envolvidos na “Chacina de Unaí”, como ficou conhecido o episódio.  Quatro réus se encontram em liberdade, beneficiados por habeas corpus, e outros cinco (acusados de participar da execução) permanecem presos.

Veja a programação:

Por Renata Torres, Assessora de Comunicação da Amatra 8

%d blogueiros gostam disto: